Atrativos de Lauro Müller são pauta de reportagem do Programa Teleférico do SBT

Uma equipe de reportagem do Programa Teleférico do SBT esteve no município de Lauro Müller nesta segunda e terça-feira (23 e 24) produzindo uma reportagem que irá contar um pouco da história de Lauro Müller e suas potencialidades turísticas. A equipe, liderada pela jornalista Débora Puel, gravou cenas na Estância Pé da Serra, propriedade que está sendo preparada para atrair turistas nas encostas da Serra do Rio do Rastro em Lauro Müller.

A equipe, que foi acompanhada pelo secretário de Agricultura, Turismo e Desenvolvimento Econômico, Eliandro Bett Giongo, também visitou e gravou imagens no Museu de Lauro Müller, empreendimento idealizado pelo senhor Amilton Guimarães, que conta por meio de móveis antigos, objetos de decoração e equipamentos de trabalho, um pouco da história do município. O Castelo, construído em 1919 por Henrique Lage, também fez parte do roteiro. A pauta foi encerrada na fábrica de cervejas e sucos artesanais, que deverá ser inaugurada em breve no município, na localidade de Quilômetro Cento e Sete.

De Lauro Müller, os profissionais seguiram para Siderópolis, onde finalizariam as gravações.

O Programa Teleférico, exibido todos os sábados, a partir das 13h no SBT SC, é um espaço para compartilhar as maravilhas do turismo catarinense em todas as regiões do estado. As gravações registradas em Lauro Müller deverão ser exibidas no próximo dia 12 de julho.

Assessoria de Comunicação/Prefeitura de Lauro Müller

Acesse para ler a reportagem e ver mais imagens – Fonte e imagens: Destaque Sul – 24/06/2014.

Lauro Müller: uma aposta turística para o Sul de Santa Catarina

A beleza da Serra do Rio do Rastro é incontestável. A estrada que passa por ela – SC-390 -, saindo de sua base e chegando ao seu topo, foi eleita em 2013 como a mais espetacular do mundo. Todos os finais de semana, cerca de seis mil veículos trafegam por ela em direção ao mirante da Serra, para observar as belezas naturais da região Sul de Santa Catarina. Para chegar lá, eles passam direto por Lauro Müller, sem imaginar o grande potencial turístico que o município possui além de seu ponto mais famoso.

A matéria a seguir foi realizada pela jornalista Amanda Garcia Ludwing do Portal Engeplus, em parceria com o responsável pela Secretaria de Agricultura, Turismo e Desenvolvimento do municipio, Eliandro Bett Gingo, visitaram os principais pontos turisticos de Lauro Müller, além da Serra do Rio do Rastro.

Há cerca de um ano, um grupo de 15 estudiosos da Associação Beneficente da Indústria Carbonífera de Santa Catarina (Satc) realiza um diagnóstico do turismo na região Sul do Estado. Estes profissionais pesquisam o desenvolvimento da área em toda a região e, neste ano, a faculdade promove seu 4º Fórum de Turismo. Ari Azambuja, coordenador do curso de Guia de Turismo Nacional, conta que já viajou para muitos lugares no Brasil, e este, o Sul de SC, é um dos mais turísticos do país, apesar de o local ser pouco explorado neste sentido.

Azambuja destaca a harmonia e a beleza encontrada em Lauro Müller, uma área onde o turismo deve ser desenvolvido com urgência. “São poucas as regiões onde é possível ver a Serra mais linda do mundo e o mar. É uma região empreendedora, onde o turismo precisa ser usado. É um grande desafio, mas existe aqui uma Serra que é pujante. Outras cidades precisam de outros fatores para o turismo. Lauro Müller não precisa de nada”, avalia.

O maior destes desafios, prevê o coordenador, é fazer com que as pessoas fiquem na cidade, ao invés de passar direto por ela para chegar ao topo da Serra do Rio do Rastro. “É preciso que se saiba explorar o turismo, sem explorar o turista. Precisamos investir em endomarketing e divulgar, em nossa própria região, nossas belezas. A Amrec tem que se conhecer”, comenta Azambuja, se referindo às cidades ligadas à Associação dos Municípios da Região Carbonífera.

Para o prefeito da cidade, Fabricio Kusmin, as ambições são apropriadas. Segundo ele, nunca esteve tão fácil trazer o turismo para Lauro Müller, e, por isso, o investimento aumenta a cada dia neste setor. “Queremos que o turista pare na cidade. Vamos começar chamando visitantes locais e regionais para, no futuro, conseguir atrair turistas do país inteiro”, planeja.

Para 2014, o município prevê grandes investimentos na área turística. De acordo com o secretário de Agricultura e Turismo, Eliandro Bett Giongo, são ao menos seis ações previstas para aproximar os turistas da região Sul à cidade. “Existe um pacote de ações do Sebrae para que o microempresário lauromüllerense receba investimentos e consiga dar continuidade ao seu trabalho. Dessa forma, potencializamos as iniciativas privadas com ações de integração”, comenta.

Uma das formas de encarar o desafio de fazer com Lauro Müller “traga de volta para si” a Serra do Rio do Rastro e possa usufruir deste ponto turístico natural como outras cidades da região fazem é a criação do Eco Museu Municipal Serra do Rio do Rastro. Em maio deste ano, a Câmara de Vereadores aprovou uma lei que criou o Eco Museu, além de suas unidades Museolófica, Ambiental, Geológica e Histórica.

A área de preservação possui 6,2 mil hectares e fica localizada ao longo das encostas da Serra Geral, fazendo limite com Bom Jardim da Serra, Treviso e Orleans. O Eco Museu funcionará, a partir dos próximos meses, na antiga estação ferroviária do município, que está em reforma. Giongo descreve que, no local, visitantes terão informações sobre a região e estudos e pesquisas serão promovidas como forma de fomentar o Turismo no Sul catarinense.

Alguns pontos turísticos de Lauro Müller

Outro foco que o município tem é, também, oportunizar a integração da área rural com a urbana. O secretário de Turismo da cidade explica que, para isso, a Rota do Vinho está sendo criada na comunidade do Palermo. Messias Martinhago, de 26 anos, investe na construção de um restaurante de 400 metros quadrados na SC-447 (rodovia Luiz Tadeu Librelato), entre a comunidade de Palermo e o município de Treviso.

Com um pequeno açude e uma roda d’água aos fundos, Martinhago e sua família trabalharão no estabelecimento para oferecer aos clientes produtos coloniais, comida típica e vinho produzido na região. “Plantamos a uva e trabalhamos com isso há muito tempo. Decidimos investir no turismo e há um ano e oito meses estou construindo com as próprias mãos o restaurante”, conta o empreendedor.

Mercilo Rigon e sua família descobrem, a cada dia, os encantos que a Serra do Rio do Rastro pode oferecer. Proprietário da Estância Pé da Serra, o empreendedor trabalha para, em breve, poder abrir as portas de sua propriedade para o resto do Brasil. Ele adquiriu as terras há dez anos e, desde então, trabalha para que o local vire um empreendimento turístico que traga visitantes de diversas partes do país para conhecer a Serra Catarinense. “Quando vi a natureza, com cascatas, cachoeiras e trilhas na propriedade, me encantei. Minha família é de Florianópolis, mas decidimos vir para cá e curtir mais esse visual”, conta.

Para chegar à estância, o turista deve subir por uma estrada alternativa logo depois de passar pelo distrito de Guatá. A família construiu, na estância, diversas casas que recebem grupos inteiros de uma só vez. Para o futuro, Rigon pretende implantar outras dez cabanas menores no local. São ao menos 30 quilômetros de trilhas, que poderão ser percorridas por quadriciclos, a cavalo ou a pé, 40 açudes – todos com peixes, que o turista poderá pescar sem custo para cozinhar nas casas -, e bicicletas para a diversão do hóspede. Além disso, a propriedade também conta com uma charrete para passeio e atividades rurais, como ordenha de vacas. O turista também tem acesso livre ao pomar, que possui 800 mudas de frutas plantadas.

Durante o Verão, um dos pontos mais visitados do município, inclusive pelos próprios moradores de Lauro Müller e região, é o Balneário Godinho. O local, que tem uma estrutura com piscinas, tobogãs e um salão de festas, recebe cerca de cinco mil visitantes por mês e está aberto desde 2001, há 13 anos. O proprietário do balneário,Ranieri Godinho, conta que a maior parte do movimento acontece entre os meses de novembro e março. Nos demais meses, o salão de festas também é alugado para eventos como casamentos e aniversários. “Além deste empreendimento, nossa família tem uma panificadora que fabrica produtos caseiros e que são entregues aos mercados de sete municípios da região”.

Norma Teresinha de Oliveira e seu marido, Vanderlei de Araújo, são os donos do Pesque-Pague Rio da Vaca, localizado no pé da Serra Catarinense, cortado pelo belo Rio da Vaca, e com uma grande área verde para quem gosta de curtir a natureza.

O estabelecimento oferece, fora a tradicional atividade de pesca, um restaurante com comida caseira que abre aos sábados, domingos e feriados – mediante reserva -, trilhas em meio à encosta da Serra do Rio do Rastro e uma área para acampamento de grupos que desejam conhecer um pouco mais da região Sul de Santa Catarina. O investimento no local começou, conta Norma, há dois anos, quando ela veio de Brusque para se estabelecer no Sul.

Há 18 anos, Amilton Guimarães, técnico da Epagri, percorre residências da região em busca de objetos que possam integrar o Museu de Lauro Müller, que em breve estará aberto para visitação. Ele, em parceria com o padre Valmor Della Giustina, é responsável pelo projeto que conta, por meio de móveis antigos, objetos de decoração e equipamentos de trabalho, um pouco da história do município. “Passo pela casa de agricultores e famílias tradicionais juntando as peças que possam integrar o museu. Elas contam nossa história, seja quando os índios ainda estavam aqui, quando os tropeiros por aqui passavam ou a própria história da colonização da região”, pondera Guimarães.

Acesse para ler a reportagem e ver mais imagens – Fonte e imagens: Destaque Sul – 17/06/2014.

Lauro Müller: uma aposta turística para o Sul de Santa Catarina

A beleza da Serra do Rio do Rastro é incontestável. A estrada que passa por ela – SC-390 -, saindo de sua base e chegando ao seu topo, foi eleita em 2013 como a mais espetacular do mundo. Todos os finais de semana, cerca de seis mil veículos trafegam por ela em direção ao mirante da Serra, para observar as belezas naturais da região Sul de Santa Catarina. Para chegar lá, eles passam direto por Lauro Müller, sem imaginar o grande potencial turístico que o município possui além de seu ponto mais famoso.

Há cerca de um ano, um grupo de 15 estudiosos da Associação Beneficente da Indústria Carbonífera de Santa Catarina (Satc) realiza um diagnóstico do turismo na região Sul do Estado. Estes profissionais pesquisam o desenvolvimento da área em toda a região e, neste ano, a faculdade promove seu 4º Fórum de Turismo. Ari Azambuja, coordenador do curso de Guia de Turismo Nacional, conta que já viajou para muitos lugares no Brasil, e este, o Sul de SC, é um dos mais turísticos do país, apesar de o local ser pouco explorado neste sentido.

Azambuja destaca a harmonia e a beleza encontrada em Lauro Müller, uma área onde o turismo deve ser desenvolvido com urgência. “São poucas as regiões onde é possível ver a Serra mais linda do mundo e o mar. É uma região empreendedora, onde o turismo precisa ser usado. É um grande desafio, mas existe aqui uma Serra que é pujante. Outras cidades precisam de outros fatores para o turismo. Lauro Müller não precisa de nada”, avalia.

O maior destes desafios, prevê o coordenador, é fazer com que as pessoas fiquem na cidade, ao invés de passar direto por ela para chegar ao topo da Serra do Rio do Rastro. “É preciso que se saiba explorar o turismo, sem explorar o turista. Precisamos investir em endomarketing e divulgar, em nossa própria região, nossas belezas. A Amrec tem que se conhecer”, comenta Azambuja, se referindo às cidades ligadas à Associação dos Municípios da Região Carbonífera.

Para o prefeito da cidade, Fabricio Kusmin, as ambições são apropriadas. Segundo ele, nunca esteve tão fácil trazer o turismo para Lauro Müller, e, por isso, o investimento aumenta a cada dia neste setor. “Queremos que o turista pare na cidade. Vamos começar chamando visitantes locais e regionais para, no futuro, conseguir atrair turistas do país inteiro”, planeja.

Para 2014, o município prevê grandes investimentos na área turística. De acordo com o secretário de Agricultura e Turismo, Eliandro Bett Giongo, são ao menos seis ações previstas para aproximar os turistas da região Sul à cidade. “Existe um pacote de ações do Sebrae para que o microempresário lauromüllerense receba investimentos e consiga dar continuidade ao seu trabalho. Dessa forma, potencializamos as iniciativas privadas com ações de integração”, comenta.

Uma das formas de encarar o desafio de fazer com Lauro Müller “traga de volta para si” a Serra do Rio do Rastro e possa usufruir deste ponto turístico natural como outras cidades da região fazem é a criação do Eco Museu Municipal Serra do Rio do Rastro. Em maio deste ano, a Câmara de Vereadores aprovou uma lei que criou o Eco Museu, além de suas unidades Museolófica, Ambiental, Geológica e Histórica.

A área de preservação possui 6,2 mil hectares e fica localizada ao longo das encostas da Serra Geral, fazendo limite com Bom Jardim da Serra, Treviso e Orleans. O Eco Museu funcionará, a partir dos próximos meses, na antiga estação ferroviária do município, que está em reforma. Giongo descreve que, no local, visitantes terão informações sobre a região e estudos e pesquisas serão promovidas como forma de fomentar o Turismo no Sul catarinense.

Alguns pontos turísticos de Lauro Müller

Outro foco que o município tem é, também, oportunizar a integração da área rural com a urbana. O secretário de Turismo da cidade explica que, para isso, a Rota do Vinho está sendo criada na comunidade do Palermo. Messias Martinhago, de 26 anos, investe na construção de um restaurante de 400 metros quadrados na SC-447 (rodovia Luiz Tadeu Librelato), entre a comunidade de Palermo e o município de Treviso.

Com um pequeno açude e uma roda d’água aos fundos, Martinhago e sua família trabalharão no estabelecimento para oferecer aos clientes produtos coloniais, comida típica e vinho produzido na região. “Plantamos a uva e trabalhamos com isso há muito tempo. Decidimos investir no turismo e há um ano e oito meses estou construindo com as próprias mãos o restaurante”, conta o empreendedor.

Mercilo Rigon e sua família descobrem, a cada dia, os encantos que a Serra do Rio do Rastro pode oferecer. Proprietário da Estância Pé da Serra, o empreendedor trabalha para, em breve, poder abrir as portas de sua propriedade para o resto do Brasil. Ele adquiriu as terras há dez anos e, desde então, trabalha para que o local vire um empreendimento turístico que traga visitantes de diversas partes do país para conhecer a Serra Catarinense. “Quando vi a natureza, com cascatas, cachoeiras e trilhas na propriedade, me encantei. Minha família é de Florianópolis, mas decidimos vir para cá e curtir mais esse visual”, conta.

Para chegar à estância, o turista deve subir por uma estrada alternativa logo depois de passar pelo distrito de Guatá. A família construiu, na estância, diversas casas que recebem grupos inteiros de uma só vez. Para o futuro, Rigon pretende implantar outras dez cabanas menores no local. São ao menos 30 quilômetros de trilhas, que poderão ser percorridas por quadriciclos, a cavalo ou a pé, 40 açudes – todos com peixes, que o turista poderá pescar sem custo para cozinhar nas casas -, e bicicletas para a diversão do hóspede. Além disso, a propriedade também conta com uma charrete para passeio e atividades rurais, como ordenha de vacas. O turista também tem acesso livre ao pomar, que possui 800 mudas de frutas plantadas.

Durante o Verão, um dos pontos mais visitados do município, inclusive pelos próprios moradores de Lauro Müller e região, é o Balneário Godinho. O local, que tem uma estrutura com piscinas, tobogãs e um salão de festas, recebe cerca de cinco mil visitantes por mês e está aberto desde 2001, há 13 anos. O proprietário do balneário, Ranieri Godinho, conta que a maior parte do movimento acontece entre os meses de novembro e março. Nos demais meses, o salão de festas também é alugado para eventos como casamentos e aniversários. “Além deste empreendimento, nossa família tem uma panificadora que fabrica produtos caseiros e que são entregues aos mercados de sete municípios da região”.

Norma Teresinha de Oliveira e seu marido, Vanderlei de Araújo, são os donos do Pesque-Pague Rio da Vaca, localizado no pé da Serra Catarinense, cortado pelo belo Rio da Vaca, e com uma grande área verde para quem gosta de curtir a natureza.

O estabelecimento oferece, fora a tradicional atividade de pesca, um restaurante com comida caseira que abre aos sábados, domingos e feriados – mediante reserva -, trilhas em meio à encosta da Serra do Rio do Rastro e uma área para acampamento de grupos que desejam conhecer um pouco mais da região Sul de Santa Catarina.  O investimento no local começou, conta Norma, há dois anos, quando ela veio de Brusque para se estabelecer no Sul.

Há 18 anos, Amilton Guimarães, técnico da Epagri, percorre residências da região em busca de objetos que possam integrar o Museu de Lauro Müller, que em breve estará aberto para visitação. Ele, em parceria com o padre Valmor Della Giustina, é responsável pelo projeto que conta, por meio de móveis antigos, objetos de decoração e equipamentos de trabalho, um pouco da história do município. “Passo pela casa de agricultores e famílias tradicionais juntando as peças que possam integrar o museu. Elas contam nossa história, seja quando os índios ainda estavam aqui, quando os tropeiros por aqui passavam ou a própria história da colonização da região”, pondera Guimarães.

Acesse para ler a reportagem e ver imagens – Fonte: Engeplus – 16/06/2014.