Cavalgada “Entre amigos” percorre roteiro turístico em Bom Jardim da Serra

Mais de 130 cavaleiros de todo o Estado se reuniram neste final de semana (sábado e domingo) em Bom Jardim da Serra para a 7ª edição da “Cavalgada Entre Amigos”. O roteiro da cavalgada, que neste ano percorreu 60 quilômetros, passou por diversos pontos turísticos, incluindo cachoeiras, cânions, torres eólicas e pinheirais, encantando aqueles que ainda não conheciam os lugares.

Conforme Gustavo Branco, um dos organizadores do evento, a ideia da cavalgada começou em 2007, com 15 amigos, para desfrutarem juntos da beleza natural da cidade, a ideia deu tão certo, que o evento virou tradição e todos os anos reúne mais e mais participantes. “Nossa cidade esconde em seu interior, belezas incomparáveis e vasto patrimônio histórico. No ano passado conhecemos uma casa de mais de 200 anos, e também, uma fazenda onde Anita Garibaldi viveu por alguns anos”, conta o cavaleiro.

O empresário do ramo de turismo de Lauro Müller, Mercilo João Rigon, proprietário da Estância Pé da Serra, participou dos dois dias de cavalgada junto com seu filho Thiago, nora Jaqueline e neto Enrico. A participação rendeu à Estância Pé da Serra, localizada na Serra do Rio do Rastro, dois troféus: o de cavaleiro mais velho e cavaleiro mais jovem, sendo entregues a Mercilo e seu neto Enrico, respectivamente.

“Foi maravilhoso participar desse evento. Todo cansaço é compensado pelas belezas que a gente encontra pelo caminho. São paisagens lindíssimas que deixam a gente fascinados. A experiência rendeu bons contatos e quem sabe possamos promover uma cavalgada pelas trilhas da Estância Pé da Serra”, comenta Rigon.

Acesse para ler a reportagem e ver mais imagens – Fonte e imagens: Sul in Foco – 04/08/2014.

O espetáculo das Quaresmeiras na encosta da serra

Não estamos na Primavera, mas o cenário na propriedade da família Rigon, na encosta da Serra do Rio Rastro, lembra muito a estação das flores. Todos os anos nessa época a família tem o privilégio de desfrutar dessa paisagem esplendorosa que as Quaresmeiras proporcionam.

A Quaresmeira, tipo de jacatirão que tem esse nome porque floresce na quaresma, está em plena florescência. O roxo vibrante misturado com o rosa e o verde das plantas contrasta com o azul do céu e prende o olhar, arrancando suspiros de prazer em meio ao êxtase de poder apreciar tamanha beleza escondida entre os cânions da magnífica serra.

Quaresmeira – A flor que anuncia a Páscoa

A Quaresmeira também é conhecida como cuipeúna, manacá-da-serra, flor-de-maio, flor-da-quaresma, jacatirão-de-capote e pau-de-flor. As espécies de maior ocorrência na Mata Atlântica são a Tibouchina mutabilis e a Tibouchina sellowiana.

É uma espécie pioneira, característica da encosta úmida da Serra do Mar que ocorre do Rio de Janeiro até Santa Catarina. É encontrada quase exclusivamente na mata secundária, chegando, por vezes, a dominar a paisagem e podendo viver de 60 a 70 anos.

Elas têm esse nome porque parte da floração mais intensa é próxima ao período religioso da Quaresma, que vai da quarta-feira de cinzas ao domingo de Páscoa, período de reflexão que antecede a Páscoa para os católicos. Outra coincidência: a cor símbolo da Páscoa é o roxo, mesma tonalidade de cor das flores da quaresmeira.

As flores são solitárias, grandes, vistosas e duráveis. Desabrocham com a cor branca e gradativamente vão se tornando violáceas, passando pelo rosa. Esta particularidade faz com que na mesma planta sejam observadas flores de três cores.

Cabanha da Serra

Que a Serra do Rio do Rio do Rastro, localizada no município de Lauro Müller, é uma atração que encanta pessoas de todos os cantos do país, todos sabem. Porém, poucos ainda conhecem um local no município, em meio aos Cânions da Serra, que está sendo preparado para receber turistas de todo o mundo.

A propriedade da família Rigon, um projeto idealizado pelo empreendedor Mercilo Rigon, encanta qualquer pessoa que conhece o local, definido por muitos, como paradisíaco.

Para chegar até a fazenda, é necessário subir por uma estrada de chão, denominada de Serrinha, já que as inúmeras curvas e o aclive acentuado recordam a Serra do Rio do Rastro.

O empreendimento deverá ser aberto ao público em 2014. A propriedade possui 300 hectares e conta com 30 açudes, um pomar, três casas para moradia, piscinas, 50 trilhas que levam a locais fantásticos e um salão de festas.

 

Acesse para ler a reportagem e ver mais imagens – Fonte e imagens: Sul in Foco – 30/03/2013.

Propriedade de Lauro Müller faz experiência para produzir azeitonas

A propriedade da família Rigon, localizada entre os Cânions da Serra do Rio do Rastro, no município de Lauro Müller, tem atraído olhares de muitas pessoas que buscam o contato com a natureza e a visão de cenários paradisíacos. O local, além de inúmeros atrativos de lazer, possui ainda dezenas de espécies de vegetação, flores exóticas e árvores frutíferas. A partir de agora a propriedade conta também com a plantação de oliveiras, exportadas de seis países.

A conquista das árvores se deu através da Epagri, que importou 20 variedades de seis países para fazer teste no Estado de Santa Catarina. Sete municípios do Estado foram selecionados para receberem as plantas e fazerem a experiência.

Conforme o técnico da Epagri de Lauro Müller, Paulo César Freiberger, as 30 mudas trazidas para o município, haviam sido plantadas na cidade de Urussanga, porém a baixa altitude não permitiu que as árvores produzissem frutos. “Como nosso município está em um ponto mais elevado, acreditamos que a possibilidade de produção aqui é maior. Escolhemos a propriedade da Família Rigon por estar a 800 metros acima do nível do mar, uma altura que é indicada para produzir”, explica o técnico.

Atualmente, produzir azeitonas no Brasil é um desafio. Porém, em Chapecó a experiência da Epagri já deu resultados. Das 200 mudas plantadas no ano passado, 180 estão completamente carregadas de frutos. “Agora é a hora de fazermos o teste em nosso município. Quem sabe a produção de azeitonas venha fazer parte da economia de nosso município”, destacou Freiberger, acrescentando que a expectativa é de que entre cinco e oito as oliveiras plantadas em Lauro Müller já estejam dando frutos.

As mudas plantadas na propriedade da Família Rigon, são oliveiras destinadas à extração de óleo e outras específicas para a produção de conserva de azeitonas. O projeto, idealizado pela Epagri, teve início em 2006 com o plantio de mudas vindas de países como Espanha, Portugal, Chile, Grécia, Israel e Itália.

A pequena produção do Brasil torna o produto final – azeitonas in natura e o azeite – com o valor alto demais. A expectativa da Epagri é fazer que Santa Catariana se torne um grande produtor nesta área.

O empresário Mercilo Rigon, que há cinco anos vem preparando a propriedade para exploração do turismo, ficou feliz em receber as mudas de oliveira e em saber que sua propriedade poderá se tornar o primeiro local da Região Carbonífera a produzir azeitonas. “Estamos fazendo o melhor possível para que essas plantas produzam frutos. Além de ser mais um atrativo em nossa propriedade, se der certo pode ser uma nova alternativa de plantio também para o município”, ressalta Mercilo.

Acesse para ler a reportagem e ver mais imagens – Fonte e imagens: Sul in Foco – 30/08/2012.

Jovens da Operação Rondon visitam atrativos de Lauro Müller

Os 22 estudantes da operação Serra & Mar, do Núcleo Extensionista Rondon (NER), que estiveram em Lauro Müller por dez dias, enceraram seus trabalhos na tarde desta sexta-feira (3), conhecendo algumas atrações do município. O passeio, que encerrou por volta das 19 horas, contou com a participação do secretário de Turismo e Urbanismo do município, Márcio Luiz Rosa.

Após almoçarem na Escola José Heleodoro Barreto Júnior, do bairro Arizona, os “rondonistas” foram visitar três locais do município, escolhidos por eles. A primeira visita foi ao Castelo, obra construída por Henrique Lage, em 1919, e que se tornou um ponto turístico de Lauro Müller. O local é tombado pela Fundação Catarinense de Cultura e atualmente pertence ao Grupo Salvaro.

A segunda escolha dos universitários foi visitar uma mina de extração de carvão. Ao conhecerem a história do município, os estudantes ficaram impressionados ao saberem que a primeira mina de carvão do Brasil foi aberta em Lauro Müller, o que tornou o município bastante conhecido por ser o berço histórico do carvão nacional. Para essa visita, a Carbonífera Belluno, do Grupo Salvaro, abriu as portas da empresa e acolheu os estudantes. Recepcionados pelo supervisor geral, Valdemir Pelegrini, os estudantes puderam inclusive conhecer o subsolo da mina, que assim como outras unidades do grupo, se destaca pela preocupação constante com o meio ambiente.

A última visita dos “rondonistas”, encerrando o ciclo de atividades da operação em Lauro Müller, foi descrita por grande parte do grupo como uma “visita ao paraíso”, após conhecerem a propriedade da família Rigon, localizada entre os Cânions da Serra do Rio do Rastro. O desbravador do local, o empresário Mercilo Rigon, juntamente com sua esposa, Marta Rigon, recebeu os estudantes na propriedade, que está sendo preparada para receber turistas de todo o mundo.

“Tivemos a oportunidade de conhecer locais fantásticos, que jamais iremos esquecer. Foram momentos únicos vividos aqui em Lauro Müller e que certamente vão contribuir com a nossa formação acadêmica”, relatou Camila Miranda, de Brasília, e estudante do curso de farmácia.

Como já é de costume, as pessoas ao conhecerem o município lauromüllense ficam encantadas pelos inúmeros atrativos turísticos que a cidade oferece e também pela simpatia do povo. Pontos positivos como esses também foram relatados pelos “rondonistas” que ficaram em Lauro Müller.

“Um município com locais paradisíacos, com muitos atrativos e com pessoas acolhedoras. É assim que posso descrever o município de Lauro Müller”, disse uma das líderes do grupo, professora Eliana Buss, de Palmitos, no Oeste de Santa Catarina.

“Nestes dez dias que estivemos aqui, conseguimos alcançar nosso objetivo nas diversas oficinas realizadas pelo município. Tenho certeza que a formação acadêmica foi enriquecida muito com os trabalhos desenvolvidos aqui”, relatou a professora, acrescentando que promete voltar outras vezes a Lauro Müller.

Sobre o projeto

A Operação Serra & Mar, do Núcleo Extensionista Rondon (NER), reuniu cerca de 170 extensionistas da Universidade do Estado de Santa Catarina – Udesc e de outras instituições do país. Além de Lauro Müller, mais seis cidades da região, foram escolhidas para receber o projeto: Urussanga, Morro da Fumaça, Jacinto Machado, Sangão, Praia Grande e Santa Rosa do Sul.

O objetivo desta quarta operação no núcleo da Udesc foi realizar as ações de extensão nos municípios que a Udesc não possui campus, levando atividades que contribuíssem com o desenvolvimento das regiões onde estão localizados.

Nos dez dias que os universitários ficaram nas cidades, diversas atividades foram realizadas, entre elas oficinas abrangendo as oito áreas da extensão universitária brasileira, que são comunicação, cultura, direitos humanos e justiça, educação, meio ambiente, saúde, trabalho e tecnologia de produção.

 

Acesse para ler a reportagem e ver mais imagens – Fonte e imagens: Sul in Foco – 04/08/2012.

Propriedade de Lauro Müller é pauta de reportagem de revista de MG

Que a Serra do Rio do Rio do Rastro, localizada no município de Lauro Müller, é uma atração que encanta pessoas de todos os cantos do país, todos sabem. Porém, poucos ainda conhecem um local no município, em meio aos Cânions da Serra, que está sendo preparado para receber turistas de todo o mundo.

A propriedade da família Rigon, um projeto idealizado pelo empreendedor Mercilo Rigon, encanta qualquer pessoa que conhece o local, definido por muitos, como paradisíaco.

A Revista Mais, do Estado de Minas Gerais, publicou uma reportam especial em sua edição de lançamento, retratando um pouco da história da propriedade e dos desbravadores do local encantador.

O Portal Sul in Foco apresenta na íntegra a matéria divulgada pela revista:

UM LUGAR PARA CONHECER E AMAR

Serra do Rio do Rastro, situada no Estado de Santa Catarina, a 225 km de Florianópolis, é um verdadeiro paraíso. O lugar, de paisagens e atrativos indescritíveis, foi descoberto pela família Rigon e, aos poucos, recebe estrutura para ser apresentada ao Brasil

“No inverno, fogão à lenha, pinhão, lareira, passeios a cavalo; no verão, cachoeiras, piscinas, pescaria, passeios 4 x 4. O lugar é um verdadeiro espetáculo da natureza. Quem conhece sempre volta!”. Assim fez o empresário Victor Rutkosky, 30, que mora em Curitiba, no Paraná, e já visitou a serra do Rio do Rastro – localizada no Estado de Santa Catarina, a 225 km de Florianópolis, entre as cidades de Lauro Muller e Bom Jardim da Serra – quatro vezes depois que a família Rigon começou a desbravar o local, ainda pouco conhecido pelos brasileiros. Thiago Rigon, 30, um dos filhos de Mercilo Rigon, 64, quem descobriu o lugar, conversou com a reportagem de Mais para falar do projeto de transformar sua propriedade na serra em um centro de ecoturismo e de esporte de aventura.

Thiago conta que tudo começou com seu pai, definido por ele como um aventureiro e um visionário. Mercilo adquiriu algumas terras na serra em 2003, já com o foco de voltar o local para o ecoturismo. “Antigamente, aqui era feita extração de madeira para serraria (ainda temos os fornos usados há mais ou menos 40 anos). Portanto, a mata do local, de floresta densa, é bem jovem, ainda está em recuperação”. Segundo Thiago, quando eles compraram a propriedade, de 180 hectares, havia grupos de caçadores que frequentavam o local e matavam todos os animais nativos. “Não se escutava nem um passarinho antes. Agora, é tudo preservado. Hoje em dia, a riqueza de biodiversidade aqui é enorme”, diz ele, que cita os vários animais silvestres que se podem ver atualmente nas terras: onça-parda, conhecida como leão Baio Esorte, gato-do-mato, tatu, quati, várias espécies de pássaros nativos, tucanos, pica-pau, entre outros. Além dos bichinhos, a família de Thiago está recuperando a floresta de araucária na serra, onde já foram plantadas centenas de árvores. Outra coisa que está sendo recuperada, conforme ressalta o fisioterapeuta, são as trilhas.

Thiago enumera, orgulhoso, todos os atrativos da natureza que o paraíso oferece: vista privilegiada da estrada que sobe a serra e de três cidades próximas, três pomares com centenas de pés de variadas frutas, 30 açudes com peixe, em torno de 50 trilhas – com graus de dificuldade variados -, três cachoeiras, sendo que uma delas possui 100 m de altura, paredões para escalada e água cristalina brotando entre as pedras.

São tantas as maravilhas que o lugar oferece que a família Rigon se apaixonou pela serra e quer proporcionar os atrativos a to- dos que, assim como pai e filho, também curtem esportes e natureza. “Queremos oferecer um lugar aonde as pessoas poderão ir para praticar esportes, para relaxar e também curtir a natureza”. Para isso, já estão em fase de acabamento cinco casas, que poderão ser alugadas pelos visitantes. Quem for ao local desfrutará, além da paz e das belezas naturais que o lugar já propicia, piscinas, passeios a cavalo e quadriciclos.

Thiago não revela o valor do investimento a ser feito, mas adianta que é bem alto, já que estão sendo realizadas muitas obras. “Nem energia elétrica havia na serra antes. Meu pai morou lá por três anos aquecendo a água do chuveiro pelo sistema de serpentina, no fogão à lenha”.

O objetivo é finalizar tudo até o inverno de 2014, mas muitos já visitam o local, e com frequência. É o caso do empresário Victor Rutkosky, citado no início desta matéria, e da pedagoga Rosimery Kunz, 35, para quem a serra do Rio do Rastro é um refúgio. “Um lugar lindo, tranquilo, maravilhoso, aonde podemos ir para descansar e nos aventurar ao mesmo tempo. Um lugar cheio de opções para quem quer tranquilidade e ar puro. Um lugar para todo tipo de pessoas. Para quem gosta de caminhar, cavalgar, fazer trilhas, fotografar, conhecer lindas cachoeiras e repousar, vale a pena conhecer”, declara a pedagoga, que é de Florianópolis.

Acesse para ler a reportagem e ver mais imagens – Fonte e imagens: Sul In Foco – 13/07/2012.